57. Guerra ao Terrorismo



A Guerra ao Terrorismo é uma iniciativa militar desencadeada pelos Estados Unidos a partir dos ataques de 11 de setembro. O então Presidente George W. Bush declarou a Guerra ao Terror como parte de uma estratégia global de combate ao terrorismo.

Inicialmente com forte apelo religioso neoconservador, George Bush chegou a declarar uma "Cruzada contra o Terror" e contra o "Eixo do Mal", no que ficou conhecido como Doutrina Bush. Isto gerou forte reação entre os aliados europeus, que acabaram exigindo maior moderação no uso de conceitos histórico-religiosos na retórica antiterror. O atentado foi tratado como um ato de guerra, com o que o governo assumiria poderes muito maiores do que tinha para perseguir e deter pessoas no estrangeiro, assim como para promover a espionagem doméstica, tudo como se fosse uma guerra.

A Guerra ao Terror significou um esforço de mobilização em diferentes planos: político-diplomático, econômico, militar, de inteligência e contra inteligência. Como parte das operações militares da Guerra ao Terrorismo, os Estados Unidos invadiram e ocuparam o Afeganistão logo após os atentados terroristas e permaneceram com suas tropas até o início das retirada dos primeiros soldados de sua tropa no Afeganistão em 2011.

Após os atentados de 11 de Setembro 2001 serem atribuídos a al-Qaeda os Estados unidos também iniciam uma busca ao seu líder chamado Bin Laden que duraria quase 10 anos e apenas em 2 de maio de 2011 autoridades dos Estados Unidos divulgaram que Bin Laden teria sido capturado e morto em um esconderijo durante uma operação secreta realizada por forças em conjunção com a CIA e o governo paquistanês, que colaborou para a localização do paradeiro do terrorista. O DNA do corpo, comparado com amostras de sua falecida irmã, confirmaram um grau de parentesco. O cadáver foi mantido sob custódia militar.

Desde o início da Guerra ao Terror, a Anistia Internacional registrou e denunciou centenas de casos graves de violações dos direitos humanos, incluindo as torturas na prisão de Guantánamo e as prisões secretas da CIA.





Guerra ao Terrorismo



Conteúdo correspondente: