22. Grandes Navegações



A era dos descobrimentos marcou a passagem do feudalismo da Idade Média para a Idade Moderna, com a ascensão dos estados-nação europeus. Durante este processo, os europeus encontraram e documentaram povos e terras nunca antes vistas. Juntamente com o Renascimento e a ascensão do humanismo, foi um importante motor para o início da modernidade, estimulando a pesquisa científica e intelectual.

Entre os mais famosos exploradores deste período, destacam-se Cristóvão Colombo (pela descoberta da América), Vasco da Gama (do caminho marítimo para a Índia), Pedro Álvares Cabral (do Brasil).

Na idade média, entre os séculos XIII e XV, os europeus tinham conhecimentos remotos sobre o continente Asiático, vindos de relatos parciais, muitas das vezes obscurecidos por lendas, ainda dos tempos das explorações de Alexandre o Grande e dos seus sucessores. O continente africano era conhecido parcialmente, não se conhecendo o seu limite a Sul, ou sequer se haveria esse limite, existindo apenas relatos de grandes reinos africanos para lá do Sahara, sendo o conhecimento real dos europeus das costas mediterrânicas e pouco mais, já que o bloqueio árabe não permitia explorações mais aprofundadas.

O prelúdio para a Era dos Descobrimentos foi uma série de expedições que atravessaram a Eurásia por terra na Baixa Idade Média. Embora os mongóis tivessem ameaçado a Europa com a pilhagem e destruição, os estados mongóis também unificaram grande parte da Eurásia. Uma série de europeus aproveitaram para explorar o Oriente.

O primeiro desses viajantes foi Giovanni da Pian del Carpine, que viajou para a Mongólia e de volta entre 1241-1247. O viajante mais famoso, porém, foi o veneziano Marco Pólo que na sua obra "As Viagens" relatou as suas viagens em toda a Ásia entre 1271-1295.

Estas viagens tiveram contudo pouco efeito imediato: o Império Mongol desmoronou-se quase tão rápido como se formara fazendo com que as rotas para o Oriente se tornassem muito mais difíceis e perigosas. A epidemia de peste negra do século XIV também bloqueou as viagens e o comércio. E a ascensão agressiva e expansionista do Império Otomano, que em 1453 viria a tomar Constantinopla, limitou ainda mais as rotas terrestres para a Ásia.

Em 1415, Ceuta foi ocupada pelos portugueses visando o controle da navegação na costa norte Africana, evento geralmente convencionado como o início da expansão portuguesa. O jovem príncipe infante D. Henrique, que participou na conquista, tomou aí conhecimento das possibilidades de lucro das rotas comerciais trans-Saharianas. Em 1422, após sucessivas viagens, o cabo Não, considerado o limite navegável a sul por árabes e europeus, é ultrapassado, alcançando-se o Bojador e em 1473, Lopo Gonçalves, descobre o Cabo Lopez, na boca do rio Ogooué e é creditado como o primeiro a cruzar a linha do equador. Mas apenas em 1487 que Bartolomeu Dias dobra o Cabo das Tormentas, futuro Cabo da Boa Esperança, coroando 50 anos de esforço e numerosas expedições, entrando pela primeira vez no Oceano Índico.

Já a Espanha, foi um pouco mais lento a começar a explorar o Atlântico, apenas no final do século XV. Navegando para a coroa espanhola, Cristóvão Colombo chegou na América em 3 de agosto de 1492 chamando de "Índias ocidentais", um ilhéu das Bahamas a que deu o nome de São Salvador. Os espanhóis ficaram inicialmente decepcionados com as suas descobertas - ao contrário de África ou da Ásia, as ilhas do Caribe pouco comércio permitiam. As ilhas tornaram-se assim o foco de esforços de colonização. Só mais tarde, quando o interior do continente foi explorado, é que a Espanha encontraria a riqueza que tinha procurado na forma de prata e ouro abundante.

Nas Américas, os espanhóis encontraram uma série de impérios tão grandes e populosos como os da Europa como o império asteca no México (conquistado em 1521) e o império inca no Peru (conquistado em 1532). Durante este tempo, as pandemias de doenças como a varíola europeia devastaram as populações indígenas. Uma vez a soberania espanhola estabelecida, a exploração centrou-se na extração e exportação de ouro e prata.

Depois da chegada de Colombo às Américas, uma divisão da zona de influência tornou-se necessária para evitar futuros conflitos entre espanhóis e portugueses. Isto foi resolvido em 1494, com a assinatura do Tratado de Tordesilhas que "dividia" o mundo entre as duas potências da época, Portugal e Espanha, sendo que só uma pequena parte da área dividida pelo Tratado de Tordesilhas havia sido vista pelos europeus, sendo dividida apenas no papel. Imediatamente após a primeira viagem de Colombo vários exploradores navegaram na mesma direção.

Ao mesmo tempo que Colombo embarcava em duas novas viagens para explorar a América Central, uma segunda grande armada Portuguesa foi enviada para a Índia. A frota de treze navios e cerca de 1.500 homens partiu de Lisboa em 9 de Março de 1500, comandada por Pedro Álvares Cabral. Para evitar a calmaria ao largo da costa do Golfo da Guiné, navegaram na direção sudoeste, numa grande "volta do mar". Em 21 de Abril, avistaram uma montanha que nomearam "monte Pascoal", em 22 de Abril desembarcaram na costa, e no dia 25 de Abril toda a frota velejou para um porto que chamaram "Porto Seguro". Cabral tendo percebido que a nova terra estava a leste da linha de Tordesilhas, logo enviou um emissário a Portugal com a importante notícia, acreditando que as recém-descobertas terras eram uma ilha, que denominou "Ilha de Vera Cruz". Alguns historiadores defendem que os portugueses já sabiam da existência do bojo formado pela América do Sul ao realizar a chamada manobra de "volta do mar", por isso a insistência do rei D. João II em mover para oeste a linha de Tordesilhas, afirmando que o desembarque no Brasil pode não ter sido acidental.

As novas ligações trans-oceânicas e o seu domínio pelas potências europeias originaram os impérios coloniais europeus, que vieram a controlar grande parte do planeta.


Cronologia


  • 1336 - Provável primeira expedição às ilhas Canárias
  • 1415 - Tropas portuguesas sob o comando de João I de Portugal conquistam Ceuta.
  • 1422 - Após sucessivas viagens, o cabo Não, considerado o limite navegável a sul por árabes e europeus, é ultrapassado.
  • 1487-1488 - Bartolomeu Dias dobra o Cabo das Tormentas, futuro Cabo da Boa Esperança.
  • 1492 - Colombo chega a América.
  • 1494 - Assinado o Tratado de Tordesilhas.
  • 1498 - Vasco da Gama chega a Índia.
  • 1500 – Descobrimento do Brasil em 22 Abril.
  • 1519-1522 - Primeira circum-navegação por Fernão de Magalhães.
  • 1519-1521 - Exploração do México e conquista do Império Asteca.
  • 1524-1532 - Exploração do Peru e da conquista do Império Inca.
  • 1531–1533 - Rota de Francisco Pizarro na conquista do Peru.
  • 1542-1565 - Chegada ao Japão e as novas rotas comerciais.
  • 1524-1611 - Explorações costeiras da América do Norte.
  • 1606-1644 - Chegada dos holandeses à Austrália e à Nova Zelândia.
  • 1636–1638 - Pedro Teixeira sobe o rio Amazonas e alcançou o Equador.




Grandes Navegações



Conteúdo correspondente: